quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Lembre-se das Palavras do Senhor!

0 comentários

Quando enfrentamos alguma tribulação, temos muita facilidade para esquecer o que Deus nos fala e promete. Diante das adversidades que surgem à frente, a razão toma o lugar da fé e as promessas de Deus parecem perder sentido.

Os discípulos de Cristo passaram por uma situação assim!

Havia ocorrido a crucificação de Jesus. Após a sua morte, Ele havia sido sepultado rapidamente, para não afetar os compromissos religiosos dos envolvidos, pois o dia seguinte era sábado.

Porém, logo após o sábado terminar, as mulheres foram ao túmulo de Jesus para passar algumas especiarias em seu corpo.

O cenário desta caminhada até o sepulcro era de morte, tristeza e desesperança.

No entanto, ao chegarem no túmulo, se depararam com uma situação incrível:

"Encontraram removida a pedra do sepulcro, mas, quando entraram, não encontraram o corpo do Senhor Jesus. Ficaram perplexas, sem saber o que fazer. De repente dois homens com roupas que brilhavam como a luz do sol colocaram-se ao lado delas.
Amedrontadas, as mulheres baixaram o rosto para o chão, e os homens lhes disseram: "Por que vocês estão procurando entre os mortos aquele que vive? Ele não está aqui! Ressuscitou! Lembrem-se do que ele lhes disse, quando ainda estava com vocês na Galiléia: ‘É necessário que o Filho do homem seja entregue nas mãos de homens pecadores, seja crucificado e ressuscite no terceiro dia’ ".
Então se lembraram das suas palavras."
(Lucas 24.2-8 - grifo meu)

As mulheres haviam achado muito estranho tudo que acontecera com o desaparecimento do corpo de Jesus. Ficaram perplexas!

Mas este sentimento durou pouco tempo: em seguida, anjos surgiram e clarearam os seus pensamentos, as lembrando das palavras do Cristo.
Daí, tudo que havia acontecido recobrou sentido!

Precisamos constantemente nos lembrar das palavras de Deus a nosso respeito! Não devemos permitir que a nossa mente se esqueça de Suas promessas e sonhos, mesmo em meio às dificuldades que a vida coloca à frente.

Quando nos lembramos das palavras de Deus, recebemos forças para continuar e perseverar na batalha da vida, crendo que Ele está no controle de tudo que acontece conosco.

Por isso, não se permita esquecer as palavras de Deus a seu respeito!

As palavras que saem do trono de Deus são de vida em meio à morte, força em meio à fraqueza, esperança no desespero, provisão em meio à falta, libertação para os que estão opressos, alegria para os tristes, salvação para quem merece condenação!

Lembre-se das palavras do Senhor!

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Vitória Onde parece Haver só Confusão

0 comentários

Para que diversas promessas a respeito do Cristo se concretizassem, foi necessário haver deslocamento, fuga, desconforto e inúmeras mudanças!

Lucas 2 relata que o imperador proclamou um censo, levando José e Maria a se deslocarem até Belém, em meio à gravidez do menino Jesus. Enquanto estavam na cidade natal de José, chegou a hora de Maria dar à luz. Sem local apropriado, abrigaram-se de maneira improvisada e fizeram um abrigo para o bebê numa manjedoura.

Aparentemente, uma solicitação que partiu de um homem ímpio e gerou vários incômodos; mas, na realidade, propósito de Deus para que a profecia relatada em Miquéias 5.2 se cumprisse:

"Mas tu, Belém-Efrata, embora sejas pequena entre os clãs de Judá, de ti virá para mim aquele que será o governante sobre Israel."

Em busca de encontrar o Cristo recém-nascido, os magos visitam Herodes em Jerusalém e perguntam pelo rei dos judeus. Essa pergunta perturba o coração de Herodes (Mateus 2.3), que após aguardar o retorno dos magos (evento este que não acontece por orientação divina), decide matar todas as crianças abaixo de dois anos na região de Belém (Mateus 2.16).

Porém, antes disso, José foi orientado por Deus a fugir ao Egito até a morte de Herodes. Uma fuga repentina e inesperada, mas que trouxe livramento para a criança e permitiu que a Palavra de Oséias 11.1 se cumprisse plenamente: "...Do Egito chamei a meu filho" .

Esse chamado do Pai que outrora não foi ouvido por Israel, finalmente foi atendido pelo Seu Filho amado: após a morte de Herodes, um anjo apareceu a José e o orientou a retornar a Israel com a criança (Mateus 2.20-21).

Ao voltar, não foram à Judéia, com receio do filho de Herodes, que estava no poder; antes, foram para Nazaré na Galiléia, cumprindo assim outra promessa a respeito do Messias: Ele será chamado Nazareno (Mateus 2.23).

Essa história do início da vida de Jesus, cheia de reviravoltas e caminhos aparentemente inconstantes, nos traz uma lição.

Às vezes, desenvolvemos o nosso caminho mental para cumprimento das promessas de Deus e pensamos em algo suave e tranquilo.

Mas na vida do próprio Cristo, não foi assim! Para o cumprimento das profecias dadas ao povo tempos antes, Jesus e sua família enfrentaram um caminho sinuoso e complicado, preenchido com momentos de medo e incerteza.

Por isso, o fato de passarmos por situações assim em nossas vidas, não necessariamente indica que estamos longe das promessas! Pelo contrário, podemos estar no meio do caminho!

Então, não cabe murmurar ou duvidar, mas confiar e seguir na direção proposta pelo Senhor!

Mesmo onde não entendemos, Deus nos guia segundo o Seu bom propósito! Aprendamos a descansar no cuidado dEle, mantendo a promessa viva no nosso coração e os ouvidos espirituais sempre atentos à Sua vontade e direção. 

Surgirá vitória onde parece haver só confusão, para a glória do Senhor!

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Pregação - Preciso ser um Influenciador

0 comentários




Pregação realizada no TEENSIBP, ministério de adolescentes da Igreja Bíblica da Paz/SP, em 2013.

"Portanto, somos embaixadores de Cristo, como se Deus estivesse fazendo o seu apelo por nosso intermédio. Por amor a Cristo lhes suplicamos: Reconciliem-se com Deus.
Deus tornou pecado por nós aquele que não tinha pecado, para que nele nos tornássemos justiça de Deus."
(2 Coríntios 5.20-21)

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Pregação - Cabeça Vazia é Oficina do diabo!

0 comentários




Pregação realizada na reunião do TEENSIBP, o ministério de adolescentes da Igreja Bíblica da Paz/SP, no dia 24/11/2012.


"Estas seis coisas o Senhor odeia, e a sétima a sua alma abomina...O coração que maquina pensamentos perversos..."
(Provérbios 6.16;18)



sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

Mesmo em meio à Dor

0 comentários

Mateus 14 1-21

Jesus havia recebido uma má notícia: a morte de João Batista. Uma morte truculenta, a mando das autoridades.

Essa notícia trouxe tristeza a Jesus. Era seu primo querido, era aquele sobre quem a profecia falava que prepararia o caminho para a Sua mensagem.

E talvez, porque isso O lembrasse do que estava reservado para o Seu futuro.

Jesus procurou um lugar deserto, para estar com seus discípulos. Pegaram um barco e se dirigiram para lá.

Porém, ao chegar, Jesus deparou-se com uma multidão que estampava em seus rostos a necessidade de cuidado, de uma palavra de Deus, de compaixão.

Mesmo em meio à própria dor, Jesus curou e ensinou; mais do que isso, ali foi o lugar onde um milagre marcante aconteceu: a multiplicação de pães e peixes.

Em meio à dor, Jesus não pensou em si mesmo em primeiro lugar!

E isso nos reserva uma lição: vivemos tempos de uma obsessão pela própria felicidade, onde essa busca costuma tornar-se a prioridade absoluta de nossas vidas.

Jesus nos mostra com suas atitudes que a prioridade nunca fala de si mesmo, fala do outro. Nisso haverá maior felicidade!

Quem busca a sua própria felicidade terá dificuldade em encontrá-la em si mesmo, pois o próprio Mestre ensina: "Há maior felicidade em dar do que em receber". (Atos 20.35) .

Por isso, mesmo em meio à dor, Jesus não se ensimesmou, mas levou em conta o outro.

Assim seja conosco: que a dor não nos torne insensíveis às dores de quem está ao nosso redor; que a dor não seja obstáculo para nos impedir de ser a mão de Cristo a quem dEle precisa.

sábado, 5 de dezembro de 2015

Sobre a Oração

0 comentários

Rascunhos

Ore com intensidade.
Ore com humildade.
Ore com muitas palavras.
Ore em silêncio.

Ore pelo seu coração.
Confidencie a fraqueza, a tentação.
Peça forças para resistir
E subsistir mais uma vez

Quando houver tristeza,
Ore com singeleza.
Quando houver alegria,
Não esconda do Senhor sua euforia.

Ore sobre tudo e todos.
Pelas coisas pequenas e grandes,
Pelas pessoas próximas e distantes.
Ore por aquilo que geralmente passa despercebido.

Ore pelo bem de outros
E também pelos seus próprios sonhos.
Ore pelo Reino de Deus,
Para que Ele venha com toda a Sua glória.

Ore pelo país,
Pelo estado,
Pela cidade
E por todas as autoridades que constituídas estão.

Ore por sua família.
Por aqueles que precisam de salvação,
Por aqueles que no caminho do Senhor já estão.
Por saúde, paz e prosperidade.

Ore cheio de gratidão,
Lembrando das bondades que Deus já lhe concedeu.
É certo que tudo que você diz, Ele já percebeu
Mas Ele se agrada em te ouvir.



"Então Jesus contou aos seus discípulos uma parábola, para mostrar-lhes que eles deviam orar sempre e nunca desanimar. Ele disse: "Em certa cidade havia um juiz que não temia a Deus nem se importava com os homens. E havia naquela cidade uma viúva que se dirigia continuamente a ele, suplicando-lhe: ‘Faze-me justiça contra o meu adversário’.
"Por algum tempo ele se recusou. Mas finalmente disse a si mesmo: ‘Embora eu não tema a Deus e nem me importe com os homens,
esta viúva está me aborrecendo; vou fazer-lhe justiça para que ela não venha me importunar’ ".
E o Senhor continuou: "Ouçam o que diz o juiz injusto.
Acaso Deus não fará justiça aos seus escolhidos, que clamam a ele dia e noite? Continuará fazendo-os esperar?
Eu lhes digo: ele lhes fará justiça, e depressa. Contudo, quando o Filho do homem vier, encontrará fé na terra? " "
(Lucas 18.1-8)

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

A Mansidão de Jesus

0 comentários

"Ora, os príncipes dos sacerdotes, e os anciãos, e todo o conselho, buscavam falso testemunho contra Jesus, para poderem dar-lhe a morte; E não o achavam; apesar de se apresentarem muitas testemunhas falsas, não o achavam. Mas, por fim chegaram duas testemunhas falsas, e disseram: Este disse: Eu posso derrubar o templo de Deus, e reedificá-lo em três dias.
E, levantando-se o sumo sacerdote, disse-lhe: Não respondes coisa alguma ao que estes depõem contra ti?
Jesus, porém, guardava silêncio...
Que vos parece? E eles, respondendo, disseram: É réu de morte.
Então cuspiram-lhe no rosto e lhe davam punhadas, e outros o esbofeteavam,
Dizendo: Profetiza-nos, Cristo, quem é o que te bateu?"
Mateus 26.59-63;66-68

Para nós, que geralmente temos pouco poder (e mesmo assim, não sabemos lidar adequadamente com ele), pode parecer óbvio o fato de Jesus não reagir perante às autoridades religiosas e aos soldados romanos.

Todo mundo sabe que reagir a uma autoridade gera problema! Pode resultar em uma condenação pública ou um safanão; infelizmente, isso é comum e por vezes, chegamos a achar que é aceitável, apesar de não sê-lo.

Nessa passagem, vemos Jesus se portando como a maioria de nós! Ele permaneceu em silêncio, de nenhum modo contestou as autoridades nem o julgamento tendencioso a qual foi submetido!

Esse comportamento do Cristo não denota fraqueza ou medo. Pelo contrário, nos traz uma lição incontestável e que deveria ser sublinhada em nossos corações: a mansidão impressionante de Jesus!

Perceba bem o cenário: Jesus é o Filho de Deus!
À Sua ordem, legiões de anjos poderiam surgir, para livrá-lo de qualquer sofrimento ou fazer justiça diante das afrontas. Ele poderia, enfim, provar a todos o Seu imensurável poder! Aliás, Ele tinha consciência disso! Olha o que Jesus havia dito a Pedro pouco antes:

"Ou pensas tu que eu não poderia agora orar a meu Pai, e que ele não me daria mais de doze legiões de anjos?
Como, pois, se cumpririam as Escrituras, que dizem que assim convém que aconteça?"
Mateus 26.53,54

Mas Ele aguentou calado, sofreu humilhação, foi levado a uma morte dolorosa, da qual não era merecedor; porém, era parte do propósito que o Pai havia colocado sobre Ele: restaurar o caminho da humanidade até Deus.

Por amor a nós, Jesus foi manso! Por amor a nós, o Filho de Deus se esvaziou de todo poder para cumprir uma missão de compaixão. E mesmo quando humilhado, resistiu à tentação de demonstrar Sua força para impressionar os presentes.

Por amor a Ele, devemos seguir esse mesmo comportamento!

Deus não nos deu qualquer tipo de poder ou bens materiais, para os utilizarmos a fim de gerar vingança e subjugação em relação a outras pessoas!

Assim como Ele não fez caso de se exibir com aquilo que tinha (e Ele tinha TUDO à Sua disposição), não sejamos imaturos para usar aquilo que nos foi concedido com o pretexto de impressionar alguém, levar vantagem deliberadamente e fazê-lo "engolir o que disse ou pensou".

Lembremos que somos mordomos de Deus sobre tudo aquilo que está em nossas mãos e tenhamos um espírito semelhante ao de Cristo, que em amor, se submeteu aos anseios do Pai e não quis impressionar a ninguém, pois firmemente desejava agradar a Deus.

Que este também seja o nosso desejo!

Quer conhecer mais sobre Jesus? Clique aqui.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...