quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Lembre-se das Palavras do Senhor!

0 comentários

Quando enfrentamos alguma tribulação, temos muita facilidade para esquecer o que Deus nos fala e promete. Diante das adversidades que surgem à frente, a razão toma o lugar da fé e as promessas de Deus parecem perder sentido.

Os discípulos de Cristo passaram por uma situação assim!

Havia ocorrido a crucificação de Jesus. Após a sua morte, Ele havia sido sepultado rapidamente, para não afetar os compromissos religiosos dos envolvidos, pois o dia seguinte era sábado.

Porém, logo após o sábado terminar, as mulheres foram ao túmulo de Jesus para passar algumas especiarias em seu corpo.

O cenário desta caminhada até o sepulcro era de morte, tristeza e desesperança.

No entanto, ao chegarem no túmulo, se depararam com uma situação incrível:

"Encontraram removida a pedra do sepulcro, mas, quando entraram, não encontraram o corpo do Senhor Jesus. Ficaram perplexas, sem saber o que fazer. De repente dois homens com roupas que brilhavam como a luz do sol colocaram-se ao lado delas.
Amedrontadas, as mulheres baixaram o rosto para o chão, e os homens lhes disseram: "Por que vocês estão procurando entre os mortos aquele que vive? Ele não está aqui! Ressuscitou! Lembrem-se do que ele lhes disse, quando ainda estava com vocês na Galiléia: ‘É necessário que o Filho do homem seja entregue nas mãos de homens pecadores, seja crucificado e ressuscite no terceiro dia’ ".
Então se lembraram das suas palavras."
(Lucas 24.2-8 - grifo meu)

As mulheres haviam achado muito estranho tudo que acontecera com o desaparecimento do corpo de Jesus. Ficaram perplexas!

Mas este sentimento durou pouco tempo: em seguida, anjos surgiram e clarearam os seus pensamentos, as lembrando das palavras do Cristo.
Daí, tudo que havia acontecido recobrou sentido!

Precisamos constantemente nos lembrar das palavras de Deus a nosso respeito! Não devemos permitir que a nossa mente se esqueça de Suas promessas e sonhos, mesmo em meio às dificuldades que a vida coloca à frente.

Quando nos lembramos das palavras de Deus, recebemos forças para continuar e perseverar na batalha da vida, crendo que Ele está no controle de tudo que acontece conosco.

Por isso, não se permita esquecer as palavras de Deus a seu respeito!

As palavras que saem do trono de Deus são de vida em meio à morte, força em meio à fraqueza, esperança no desespero, provisão em meio à falta, libertação para os que estão opressos, alegria para os tristes, salvação para quem merece condenação!

Lembre-se das palavras do Senhor!

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Vitória Onde parece Haver só Confusão

0 comentários

Para que diversas promessas a respeito do Cristo se concretizassem, foi necessário haver deslocamento, fuga, desconforto e inúmeras mudanças!

Lucas 2 relata que o imperador proclamou um censo, levando José e Maria a se deslocarem até Belém, em meio à gravidez do menino Jesus. Enquanto estavam na cidade natal de José, chegou a hora de Maria dar à luz. Sem local apropriado, abrigaram-se de maneira improvisada e fizeram um abrigo para o bebê numa manjedoura.

Aparentemente, uma solicitação que partiu de um homem ímpio e gerou vários incômodos; mas, na realidade, propósito de Deus para que a profecia relatada em Miquéias 5.2 se cumprisse:

"Mas tu, Belém-Efrata, embora sejas pequena entre os clãs de Judá, de ti virá para mim aquele que será o governante sobre Israel."

Em busca de encontrar o Cristo recém-nascido, os magos visitam Herodes em Jerusalém e perguntam pelo rei dos judeus. Essa pergunta perturba o coração de Herodes (Mateus 2.3), que após aguardar o retorno dos magos (evento este que não acontece por orientação divina), decide matar todas as crianças abaixo de dois anos na região de Belém (Mateus 2.16).

Porém, antes disso, José foi orientado por Deus a fugir ao Egito até a morte de Herodes. Uma fuga repentina e inesperada, mas que trouxe livramento para a criança e permitiu que a Palavra de Oséias 11.1 se cumprisse plenamente: "...Do Egito chamei a meu filho" .

Esse chamado do Pai que outrora não foi ouvido por Israel, finalmente foi atendido pelo Seu Filho amado: após a morte de Herodes, um anjo apareceu a José e o orientou a retornar a Israel com a criança (Mateus 2.20-21).

Ao voltar, não foram à Judéia, com receio do filho de Herodes, que estava no poder; antes, foram para Nazaré na Galiléia, cumprindo assim outra promessa a respeito do Messias: Ele será chamado Nazareno (Mateus 2.23).

Essa história do início da vida de Jesus, cheia de reviravoltas e caminhos aparentemente inconstantes, nos traz uma lição.

Às vezes, desenvolvemos o nosso caminho mental para cumprimento das promessas de Deus e pensamos em algo suave e tranquilo.

Mas na vida do próprio Cristo, não foi assim! Para o cumprimento das profecias dadas ao povo tempos antes, Jesus e sua família enfrentaram um caminho sinuoso e complicado, preenchido com momentos de medo e incerteza.

Por isso, o fato de passarmos por situações assim em nossas vidas, não necessariamente indica que estamos longe das promessas! Pelo contrário, podemos estar no meio do caminho!

Então, não cabe murmurar ou duvidar, mas confiar e seguir na direção proposta pelo Senhor!

Mesmo onde não entendemos, Deus nos guia segundo o Seu bom propósito! Aprendamos a descansar no cuidado dEle, mantendo a promessa viva no nosso coração e os ouvidos espirituais sempre atentos à Sua vontade e direção. 

Surgirá vitória onde parece haver só confusão, para a glória do Senhor!

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Pregação - Preciso ser um Influenciador

0 comentários




Pregação realizada no TEENSIBP, ministério de adolescentes da Igreja Bíblica da Paz/SP, em 2013.

"Portanto, somos embaixadores de Cristo, como se Deus estivesse fazendo o seu apelo por nosso intermédio. Por amor a Cristo lhes suplicamos: Reconciliem-se com Deus.
Deus tornou pecado por nós aquele que não tinha pecado, para que nele nos tornássemos justiça de Deus."
(2 Coríntios 5.20-21)

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Pregação - Cabeça Vazia é Oficina do diabo!

0 comentários




Pregação realizada na reunião do TEENSIBP, o ministério de adolescentes da Igreja Bíblica da Paz/SP, no dia 24/11/2012.


"Estas seis coisas o Senhor odeia, e a sétima a sua alma abomina...O coração que maquina pensamentos perversos..."
(Provérbios 6.16;18)



sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

Mesmo em meio à Dor

0 comentários

Mateus 14 1-21

Jesus havia recebido uma má notícia: a morte de João Batista. Uma morte truculenta, a mando das autoridades.

Essa notícia trouxe tristeza a Jesus. Era seu primo querido, era aquele sobre quem a profecia falava que prepararia o caminho para a Sua mensagem.

E talvez, porque isso O lembrasse do que estava reservado para o Seu futuro.

Jesus procurou um lugar deserto, para estar com seus discípulos. Pegaram um barco e se dirigiram para lá.

Porém, ao chegar, Jesus deparou-se com uma multidão que estampava em seus rostos a necessidade de cuidado, de uma palavra de Deus, de compaixão.

Mesmo em meio à própria dor, Jesus curou e ensinou; mais do que isso, ali foi o lugar onde um milagre marcante aconteceu: a multiplicação de pães e peixes.

Em meio à dor, Jesus não pensou em si mesmo em primeiro lugar!

E isso nos reserva uma lição: vivemos tempos de uma obsessão pela própria felicidade, onde essa busca costuma tornar-se a prioridade absoluta de nossas vidas.

Jesus nos mostra com suas atitudes que a prioridade nunca fala de si mesmo, fala do outro. Nisso haverá maior felicidade!

Quem busca a sua própria felicidade terá dificuldade em encontrá-la em si mesmo, pois o próprio Mestre ensina: "Há maior felicidade em dar do que em receber". (Atos 20.35) .

Por isso, mesmo em meio à dor, Jesus não se ensimesmou, mas levou em conta o outro.

Assim seja conosco: que a dor não nos torne insensíveis às dores de quem está ao nosso redor; que a dor não seja obstáculo para nos impedir de ser a mão de Cristo a quem dEle precisa.

sábado, 5 de dezembro de 2015

Sobre a Oração

0 comentários

Rascunhos

Ore com intensidade.
Ore com humildade.
Ore com muitas palavras.
Ore em silêncio.

Ore pelo seu coração.
Confidencie a fraqueza, a tentação.
Peça forças para resistir
E subsistir mais uma vez

Quando houver tristeza,
Ore com singeleza.
Quando houver alegria,
Não esconda do Senhor sua euforia.

Ore sobre tudo e todos.
Pelas coisas pequenas e grandes,
Pelas pessoas próximas e distantes.
Ore por aquilo que geralmente passa despercebido.

Ore pelo bem de outros
E também pelos seus próprios sonhos.
Ore pelo Reino de Deus,
Para que Ele venha com toda a Sua glória.

Ore pelo país,
Pelo estado,
Pela cidade
E por todas as autoridades que constituídas estão.

Ore por sua família.
Por aqueles que precisam de salvação,
Por aqueles que no caminho do Senhor já estão.
Por saúde, paz e prosperidade.

Ore cheio de gratidão,
Lembrando das bondades que Deus já lhe concedeu.
É certo que tudo que você diz, Ele já percebeu
Mas Ele se agrada em te ouvir.



"Então Jesus contou aos seus discípulos uma parábola, para mostrar-lhes que eles deviam orar sempre e nunca desanimar. Ele disse: "Em certa cidade havia um juiz que não temia a Deus nem se importava com os homens. E havia naquela cidade uma viúva que se dirigia continuamente a ele, suplicando-lhe: ‘Faze-me justiça contra o meu adversário’.
"Por algum tempo ele se recusou. Mas finalmente disse a si mesmo: ‘Embora eu não tema a Deus e nem me importe com os homens,
esta viúva está me aborrecendo; vou fazer-lhe justiça para que ela não venha me importunar’ ".
E o Senhor continuou: "Ouçam o que diz o juiz injusto.
Acaso Deus não fará justiça aos seus escolhidos, que clamam a ele dia e noite? Continuará fazendo-os esperar?
Eu lhes digo: ele lhes fará justiça, e depressa. Contudo, quando o Filho do homem vier, encontrará fé na terra? " "
(Lucas 18.1-8)

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

A Mansidão de Jesus

0 comentários

"Ora, os príncipes dos sacerdotes, e os anciãos, e todo o conselho, buscavam falso testemunho contra Jesus, para poderem dar-lhe a morte; E não o achavam; apesar de se apresentarem muitas testemunhas falsas, não o achavam. Mas, por fim chegaram duas testemunhas falsas, e disseram: Este disse: Eu posso derrubar o templo de Deus, e reedificá-lo em três dias.
E, levantando-se o sumo sacerdote, disse-lhe: Não respondes coisa alguma ao que estes depõem contra ti?
Jesus, porém, guardava silêncio...
Que vos parece? E eles, respondendo, disseram: É réu de morte.
Então cuspiram-lhe no rosto e lhe davam punhadas, e outros o esbofeteavam,
Dizendo: Profetiza-nos, Cristo, quem é o que te bateu?"
Mateus 26.59-63;66-68

Para nós, que geralmente temos pouco poder (e mesmo assim, não sabemos lidar adequadamente com ele), pode parecer óbvio o fato de Jesus não reagir perante às autoridades religiosas e aos soldados romanos.

Todo mundo sabe que reagir a uma autoridade gera problema! Pode resultar em uma condenação pública ou um safanão; infelizmente, isso é comum e por vezes, chegamos a achar que é aceitável, apesar de não sê-lo.

Nessa passagem, vemos Jesus se portando como a maioria de nós! Ele permaneceu em silêncio, de nenhum modo contestou as autoridades nem o julgamento tendencioso a qual foi submetido!

Esse comportamento do Cristo não denota fraqueza ou medo. Pelo contrário, nos traz uma lição incontestável e que deveria ser sublinhada em nossos corações: a mansidão impressionante de Jesus!

Perceba bem o cenário: Jesus é o Filho de Deus!
À Sua ordem, legiões de anjos poderiam surgir, para livrá-lo de qualquer sofrimento ou fazer justiça diante das afrontas. Ele poderia, enfim, provar a todos o Seu imensurável poder! Aliás, Ele tinha consciência disso! Olha o que Jesus havia dito a Pedro pouco antes:

"Ou pensas tu que eu não poderia agora orar a meu Pai, e que ele não me daria mais de doze legiões de anjos?
Como, pois, se cumpririam as Escrituras, que dizem que assim convém que aconteça?"
Mateus 26.53,54

Mas Ele aguentou calado, sofreu humilhação, foi levado a uma morte dolorosa, da qual não era merecedor; porém, era parte do propósito que o Pai havia colocado sobre Ele: restaurar o caminho da humanidade até Deus.

Por amor a nós, Jesus foi manso! Por amor a nós, o Filho de Deus se esvaziou de todo poder para cumprir uma missão de compaixão. E mesmo quando humilhado, resistiu à tentação de demonstrar Sua força para impressionar os presentes.

Por amor a Ele, devemos seguir esse mesmo comportamento!

Deus não nos deu qualquer tipo de poder ou bens materiais, para os utilizarmos a fim de gerar vingança e subjugação em relação a outras pessoas!

Assim como Ele não fez caso de se exibir com aquilo que tinha (e Ele tinha TUDO à Sua disposição), não sejamos imaturos para usar aquilo que nos foi concedido com o pretexto de impressionar alguém, levar vantagem deliberadamente e fazê-lo "engolir o que disse ou pensou".

Lembremos que somos mordomos de Deus sobre tudo aquilo que está em nossas mãos e tenhamos um espírito semelhante ao de Cristo, que em amor, se submeteu aos anseios do Pai e não quis impressionar a ninguém, pois firmemente desejava agradar a Deus.

Que este também seja o nosso desejo!

Quer conhecer mais sobre Jesus? Clique aqui.

sábado, 28 de novembro de 2015

Sobre a Obediência a Deus

0 comentários

Rascunhos


Obediência a Deus não é sô alegria.
É também choro, dor e agonia.
Obediência a Deus não é só lucro.
É também perda, doação e entrega.

Obediência a Deus não é devida somente quando o caminho se mostra parecido com o que penso.
É também seguir às cegas, contra a própria vontade.
Obediência a Deus não é só tristeza.
Acima de tudo, é a certeza de ser guiado pela própria mão de Deus.

A verdadeira obediência a Deus
Custará tudo que você é
Para te transformar
Em algo inteiramente novo

E que este renovo
Seja à semelhança do Filho:
O primeiro a obedecer
Para, ao seu Pai, novos irmãos trazer.

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

O Segredo da Igreja Primitiva

0 comentários

"E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações.
E em toda a alma havia temor, e muitas maravilhas e sinais se faziam pelos apóstolos.
E todos os que criam estavam juntos, e tinham tudo em comum.
E vendiam suas propriedades e bens, e repartiam com todos, segundo cada um havia de mister.
E, perseverando unânimes todos os dias no templo, e partindo o pão em casa, comiam juntos com alegria e singeleza de coração,
Louvando a Deus, e caindo na graça de todo o povo. E todos os dias acrescentava o Senhor à igreja aqueles que se haviam de salvar."
(Atos 2.42-47)

A igreja de Atos 2 tem sido frequentemente usada como um modelo a ser buscado, quando pensamos em uma igreja abençoada e abençoadora.
Quando lemos estes versículos, vemos uma igreja viva, atuante e que crescia de maneira rápida por toda a cidade de Jerusalém.

A reflexão sobre estes versículos constantemente gera a pergunta: O que esta igreja tinha que nos falta na igreja de hoje?

Muitos responderão que atualmente nos falta poder do Espírito e diante disso, não vivenciamos os milagres que se multiplicavam na igreja primitiva;
Outros responderão que a organização da igreja de Atos 2 era mais adequada. Eles se reuniam de casa em casa, isso gerava uma comunhão que não temos hoje nas igrejas atuais.

Muitos argumentos são levantados para tentar explicar a lacuna que nos separa da igreja mencionada em Atos 2.

Porém, existe um argumento, que com muito temor, quero apresentar, constantemente esquecido nestes  nossos debates.

Talvez porque ele não seja mencionado claramente na passagem de Atos 2, mas o entendimento deste texto  bíblico deixa claro que naquela comunidade, havia um transbordar desse sentimento: o AMOR.

A comunidade de Atos 2 transpirava amor! E não era um amor de sentimento ou palavras, era um amor de atitudes e por vezes, sacrificial.
Era o amor baseado no novo mandamento que Jesus deixara:

"Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis." (João 13.34)

Haviam muitos milagres, pois os crentes eram movidos de íntima compaixão, assim como Jesus também era!

Eles tinham comunhão constante e essa não parecia ser forçada; eles amavam tanto uns aos outros que dividiam tudo o que tinham e chegaram ao ponto de vender propriedades, para distribuir entre os irmãos mais necessitados.

Essa igreja, mergulhada em um profundo amor uns pelos outros, à semelhança do próprio amor de Cristo, atraía as pessoas e fazia com que a igreja fosse alvo de simpatia por parte do povo!

Portanto, a lacuna que nos separa hoje da igreja primitiva não é a falta de poder do Espírito, muito menos a nossa forma de organização, mas sim o cumprimento do mandamento que Jesus nos deixou: o amar ao próximo, assim como Ele nos amou! Um amor ágape, sacrificial!

Por isso, podemos passar noites em claro buscando o poder do Espírito, porém se faltar amor nos nossos corações, de nada adiantará.

Podemos institucionalizar toda sorte de relacionamentos, buscando gerar comunhão e uma organização menos distante, mas se os corações não forem preenchidos com a disposição de um amor sacrificial, que procede de Jesus, de nada valerá.

O que precisamos é nos arrepender do nosso modo egoísta de viver, da nossa fraca disposição em ceder, em doar qualquer coisa que seja (tempo, força, recursos...) e pedir a Cristo que nos ensine como obedecer este mandamento que Ele nos deixou, nos dias atuais!

Que acima de quaisquer outras coisas boas que possam vir junto com a ideia da igreja primitiva (milagres, comunhão, crescimento), o nosso coração se importe em descobrir como agradar o Mestre em amor e cumprir Sua palavra!

A igreja de Cristo sempre surpreenderá o mundo, quando agir como a igreja de Cristo, pois a sociedade não está acostumada a nada nem ninguém que ofereça algo, sem esperar nada em troca.

Que Deus nos permita aprender a viver desse modo!

sábado, 21 de novembro de 2015

Dar é melhor do que Receber

0 comentários

Você já reparou o quanto possuímos mais do que o necessário? Mesmo assim, poucas vezes fazemos menção de abrir mão de algumas coisas, mesmo que elas sejam pouco utilizadas.

Isso é resultado do que vemos por todo lado atualmente, onde nos é proposta uma cultura onde o “receber” encontra maior valor.
Somos bombardeados pela mídia e pela sociedade, que identifica necessidades, cria desejos e desperta uma corrida incessante por comprar, obter e possuir.

Na verdade, esse movimento leva a acumulação de produtos que rapidamente perdem o seu valor e geram um novo ciclo de consumo e mais acumulação.
Essa cultura encontra eco até na vida religiosa, onde pessoas têm se aproximado do Evangelho, com foco em benefícios terrenos que Deus possa lhes oferecer.

Atualmente, a busca da sociedade é por receber mais, acumular mais, possuir mais e faz tudo isso, com a intenção de alcançar felicidade.

Porém, o mestre Jesus mostrou outro caminho!

“...lembrando as palavras do próprio Senhor Jesus, que disse: ‘Há maior felicidade em dar do que em receber’ “ (Atos 20.35)

O versículo acima é a única citação de Jesus que não consta nos Evangelhos e traz um grande desafio proposto por Ele para a vida na atualidade.
O Mestre indica um outro caminho, mais elevado e que leva a um nível maior de felicidade: quando decidimos dar ao invés de receber.

É interesse de Deus que aproveitemos muito o nosso dinheiro e bens, pois são bênçãos concedidas por Ele. A Palavra diz que Deus nos provê ricamente para nossa satisfação! (I Timóteo 6:17)

No entanto, é necessário ser sábio para desfrutar adequadamente!

E ao assumir uma postura de doação, desprendimento e divisão, diferente daquela que o ciclo de consumo, posse e acumulação impõe, achamos uma oportunidade de seguir os passos de Jesus.

Por quê?

Ao doar, parecemos com Jesus

Quando tomamos a decisão de abrir mão e nos desprender de algum recurso pelo bem do próximo, nos assemelhamos a Jesus.
Ele é o Doador por excelência! A Palavra afirma em Filipenses 2, que Ele se desprendeu de tudo, se esvaziou da Sua majestade e doou-se até à morte de cruz para abrir um caminho de vida a todos nós!

Onde está o tesouro, está o coração

Outro motivo que Jesus destacou em seus discursos e deve estar sempre em foco é que “Onde está o nosso tesouro, aí estará o nosso coração” (Mateus 6:21).

Ao ter uma postura de desprendimento e doação direcionados pelo coração de Deus, declaramos que Mamom, o dinheiro, não exerce domínio sobre nossas vidas e que estamos acumulando um tesouro maior, de ordem espiritual, nos Céus.

É interessante ver que ao entender as boas-novas de Jesus e reconhecê-lo como o Messias, Zaqueu rapidamente submete à sua vida e seus bens à lógica de Cristo.

Ele pega seus bens amealhados na base da injustiça, na ganância de obter cada vez mais e acumular somente para si e decide doá-los, promovendo justiça àqueles que foram prejudicados por ele e declarando assim que havia um outro Rei atuando em Seu coração! (Lucas 9.8-9) 

Em 2 Coríntios 8.1-5, o  apóstolo Paulo dá um testemunho do coração doador e desprendido que estava nos irmãos macedônios.
Será que estes possuíam  muito? Não, pelo contrário, passavam por severa tribulação (v. 2);
Mesmo assim, eles suplicaram insistentemente para auxiliar os irmãos (v.4) e deram além do que podiam! (v.3)
Assim, os macedônios tornaram-se exemplo da ação de repartir que deve encontrar reflexo em todos os cristãos!

Como praticar?

Doar na causa da obra de Deus

Nós mesmos devemos ser agentes da expansão do Reino de Deus, com testemunho e pregação do Evangelho; porém, também podemos nos desdobrar financeiramente, para que irmãos sejam enviados a outras partes do país e do mundo a anunciar as Boas-Novas, para sustentar as ações da igreja  que abençoam a comunidade e mantém a estrutura  física do local de reunião em condições adequadas.

Abençoar pessoas necessitadas

Temos o importante papel de ser instrumentos do Senhor para atender as pessoas necessitadas ao redor. Doar roupas em boas condições de uso, auxiliar no pagamento de uma conta ou no suprimento das necessidades básicas são formas de doação que Deus aprova. Tiago, irmão do Senhor,  no capítulo 1.27, chega a considerar essas atitudes de cuidado com os necessitados, representados no versículo pelo órfão e a viúva, como a verdadeira religião.

E não se esqueça: a intenção do Senhor não é que saiamos entregando o dinheiro na mão de terceiros, mas acima de tudo que essa generosidade indique a sinceridade do nosso amor a Deus e aos irmãos!
(2 Coríntios 8.7-8)

Eis o desafio: aprender a encontrar mais alegria no ato de dar, repartir e se desprender do que em ajuntar, guardar e se vangloriar.

Desse modo, encontraremos um nível maior de felicidade proposto por Cristo!

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Resistir a Toda Tentação

0 comentários

Rascunhos


Todos têm suas tentações.

Fraquezas, inclinações para um caminho que não é o de Deus.

Eu sinto quando estou sob tentação.

O coração bate acelerado, o pensamento torna-se fixo, por mais que eu tente desviá-lo.

Parece que tudo conspira para abrir uma oportunidade que me leve ao erro.

Sei que diante de mim, estão duas possibilidades opostas da perspectiva de obediência a Deus, mas ao mesmo tempo, essa não é uma decisão passível de racionalização.

Ao tentar racionalizar, já me vejo entregue à tentação, daí me lembro que a luta não é contra a carne e sangue, mas sim contra os principados e potestades, uma luta espiritual (Efésios 6.12).

Mas nem sempre é fácil agir espiritualmente diante de uma situação espantosamente concreta; confesso também que nem sempre estou atento e devidamente paramentado com as armas capazes de permitir a resistência ao ataque.

Me vejo na necessidade de aprender mais sobre Jesus.

Aquele que foi tentado, mas não caiu em tentação.

Que diante de um jejum de 40 dias e uma fome equivalente, recusou-se a transformar pedra em pão para satisfazer seus próprios desejos; Ele, que ao ser tentado, confrontava o opositor pela Palavra de Deus e não dava ouvidos às distorções das Escrituras, que o Inimigo, sem escrúpulos, ousava realizar (Lucas 4.1-13)

Ele venceu todas as tentações, para que eu as pudesse vencer também!

O Seu caminho, sou desfiado a trilhar; do Seu poder, partilho para vitória conquistar.

Enquanto sou transformado à imagem do Senhor (2 Coríntios 3.18), oro a Ele por misericórdia em meio às falhas e por força para superar e seguir, pois nEle sou capaz de resistir a toda tentação que diante de mim se levantar.

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

O Segredo de Viver Contente

0 comentários

...Aprendi o segredo de viver contente...
Filipenses 4.12

O Apóstolo Paulo traz na carta aos Filipenses o registro de um aprendizado mais do que necessário: o segredo de viver contente.

Esse é um grande desafio para as nossas vidas no mundo de hoje!

Vivemos tempos onde a maioria das pessoas não tem a sensação de estar contente ou sempre acreditam precisar de mais alguma coisa para chegar a esse estágio. Talvez mais um tênis, mais um carro, o celular novo, uma casa maior, ou um relacionamento, emprego, faculdade...

Por mais coisas que sejam alcançadas, há sempre um sentimento de vazio. Apesar das inúmeras conquistas obtidas, parece que nada supre a fome interior por algo novo, diferente e especial.

O modo de vida que o Senhor tem para nós passa longe dessa visão!
Ele quer ensinar o contentamento à sua maneira e para isso, precisamos permitir que o Seu Espírito opere em nós, trazendo mudança de mente.

Vamos ler a fala do apóstolo Paulo aos Filipenses por completo:

"Sei o que é passar necessidade e sei o que é ter fartura. Aprendi o segredo de viver contente em toda e qualquer situação, seja bem alimentado, seja com fome, tendo muito, ou passando necessidade." (Filipenses 4.12)

O nosso contentamento deve existir até mesmo quando faltam coisas!

Não pode ser algo relacionado ao exterior, à condição social, financeira, material, aos relacionamentos.

Esses fatores fazem parte da vida e certamente nos afetam. No entanto, tem uma característica cíclica: há momentos de abundância e de escassez; há momentos de muitos companheiros e outros, onde existem poucos amigos.

Por isso, precisamos mudar a régua que nos leva a definir quando estamos contentes!

O apóstolo Paulo nos dá uma dica sobre como devemos proceder para alcançar o contentamento, na continuidade de seu discurso aos Filipenses:

"Tudo posso naquele que me fortalece."
(Filipenses 4.13)

Quando colocamos a nossa esperança, olhos e atenção no Senhor, podemos andar sempre contentes!

Independentemente do que esteja acontecendo ao redor, por mais que estejamos passando por situações de escassez e insegurança ou se andamos em abundância e tranqüilidade, estaremos contentes, pois Ele é quem nos fortalece para vencer qualquer obstáculo!

Portanto, eis o desafio: estar contente em TODA situação e não apenas quando se tem TUDO para estar contente.

Só podemos chegar a esse ponto, crendo que tudo podemos naquele que nos fortalece!

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Deixa a Vida me levar?

0 comentários

"Deixa a vida me levar, vida leva eu..."

Quantos conhecem essa famosa música do Zeca Pagodinho?
Mais do que um som para divertir a galera em tempos de festa, tem sido um lema de vida para muita gente!
O lema de uma vida sem muitos objetivos, descompromissada, conduzida meio aos trancos e barrancos, como a música mesmo diz.

Mas será que é assim que a vida tem de ser conduzida?

É claro que não!
Todos nós temos sonhos e devemos estabelecer objetivos para alcançá-los!
Você sabia que Deus ama ver a gente sonhar e dividir nossos projetos com Ele?

"Peça a Deus que abençoe os seus planos e eles darão certo"
(Provérbios 16.3)

Mais do que isso, Ele nos incentiva a agir sobre aquilo que pensamos!
Para isso, precisamos ter FOCO! Não dá para deixar a vida me levar, se quero atingir os meus objetivos!

Pense nisso:

"Quando deixo a vida me levar, alguém está definindo a história da minha vida sem mim.
Quando coloco os meus objetivos diante de Deus, dEle recebo forças para lutar e ser aquilo que sonho ser! "

Por isso, reflita aí:

- Quais sonhos você tem estabelecido para a sua vida? Você tem apresentado esses pensamentos a Deus?
- Você tem mantido o foco e a pegada para alcançá-los ou só são idéias na cabeça ou num papel?

terça-feira, 3 de novembro de 2015

O Poder da Tua Cruz

0 comentários

Rascunhos

Em qualquer lugar,
Em todo momento
Tu estás comigo,
És meu sustento

Se estou em paz,
Alegre ou tenso
És meu amigo,
Não estou só

Em meio às lutas,
Não estou sozinho
Tu me ajudas,
Em Ti confio

Para onde irei
Longe da Tua mão?
Só Tu tens o caminho
Da salvação

Te ofertarei
Um coração contrito e quebrantado
Que será renovado
Pelo poder do Teu amor

Oh Jesus
Me ensina a estar em Teus caminhos
Que a minha vida
Revele o poder da Tua cruz

Para curar
E transformar
Todo o meu ser
Em uma nova vida

Pra me encher
E libertar
Fazer sonhar
Com a Tua breve vinda

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

A Igreja de Jesus Cristo

0 comentários


A igreja do Senhor Jesus nasceu a partir de Sua mensagem, após sua morte e ressurreição. Começou com aproximadamente 120 membros, que oravam em um cenáculo. Quando o poder do Espírito Santo desceu sobre eles, passaram a viver a plenitude de seu ministério (Atos 2.1-4).

Em pouco tempo, as boas-novas de Jesus Cristo pregadas por esta igreja haviam alcançado milhares de pessoas e esta era tida em alta conta pela sociedade (Atos 2.41-47).

No entanto, a igreja passou a ser perseguida pelas autoridades, o que fez com que os crentes em Jesus se dispersassem (Atos 8.1). Nessa dispersão, levaram a mensagem até outros locais, inclusive aos gentios, sendo Paulo o principal expoente dessa empreitada.

Mesmo em meio às perseguições, a igreja de Cristo permanece firme até hoje, constantemente juntando-se a ela aqueles que foram designados para a salvação.

Essa igreja é mais do que as instituições visíveis que muitas vezes tentam representá-la, mas sim o corpo de Cristo (Efésios 1.22-23), uma igreja invisível, sem denominações e divisões, que reúne todos os justificados em Cristo Jesus ao redor do mundo.
É uma igreja sofrida, que oferece mártires até hoje; no entanto, vitoriosa e triunfante!

Isto não seria possível sem a ação do Espírito Santo, que encoraja os santos ao longo dos milênios e mantém em cada coração a plena confiança da verdade que Jesus é o Messias prometido, que voltará para buscar os seus e exercer juízo sobre a Sua criação (João 14.1-3).

Está igreja se reunirá na eternidade, em uma belíssima unidade de diversidades: povos de todas as línguas, culturas, raças e estilos, em honra ao Rei dos Reis, o Senhor dos Senhores Jesus Cristo.

domingo, 25 de outubro de 2015

Chama Acesa

0 comentários

Rascunhos

No interior, a chama acesa
Faz gritar:
Ao Seu dispor,
Estamos ao Seu dispor

A força dEle
É intensa vida
E nos leva a declarar:
Há saída, nEle há uma saída

Sim, queremos no caminho
Dele andar
Com alegria,
A mais linda Verdade partilhar

Faremos em qualquer lugar
Um trono de adoração
Porque o Rei dos Reis
Mora em nosso coração

Não existem paredes
Ou muros a nos segurar
Aquele que ninguém é capaz de deter
Nos faz avançar

O seu amor será cantado
Em alta voz
Em honra a tudo aquilo
Que fizeste a nós

A sua imagem será revelada
Em cada ação
Por onde andarmos,
Jesus, Seu nome, conhecerão

domingo, 28 de junho de 2015

Deus Nunca Chega Atrasado

0 comentários

Em Atos 12, Pedro foi preso por pregar o Evangelho de Jesus.
Era guardado por quatro escoltas de quatro soldados cada uma, para não ter a mínima chance de fugir.
Herodes pretendia levá-lo a julgamento público depois da Páscoa e isso era praticamente sinônimo de morte, pois as autoridades e o povo eram atiçados pelos fariseus contra os cristãos. Era um momento de grande perseguição a todos que diziam seguir a Cristo.

A igreja orava intensamente por Pedro e pedia a Deus que este fosse libertado.
Na noite anterior ao seu julgamento, Pedro dormia rodeado por muitos guardas.

De repente, um anjo do Senhor apareceu na cela. As algemas que prendiam Pedro caíram, o anjo o orientou a se vestir e andar, as portas da prisão foram se abrindo e nenhum guarda reagia. Tal impressionante era a cena que Pedro pensou estar sonhando!

Porém, quando ele 'acordou', estava na rua!
Correu até o local onde a igreja estava reunida, bateu na porta e foi recebido pela serva com tamanha surpresa, que esta nem abriu a porta; saiu correndo na ansiedade de contar aos irmãos sobre quem havia chegado.

Os irmãos, ao ouvirem seu recado, nem acreditaram! Apesar de estarem orando por isso, parecia que esperavam acontecer outra coisa! Só depois de Pedro bater a porta com mais insistência, permitiram que entrasse e ficaram perplexos com sua chegada.

Essa situação curiosa envolvendo o sobrenatural livramento de Pedro e os irmãos em oração, lembra muito certas posturas que temos diante do Senhor!

A gente ora e pede a intervenção de Deus, mas esperamos que Ele proceda do nosso jeito! Queremos que o Senhor 'mova as águas', porém o resultado precisa ser do modo que planejamos.
Até existe fé, mas a visão limitada só permite que enxerguemos as saídas humanas, quando conosco temos um Deus sobrenatural!
Ficamos ansiosos, pois o tempo limite está chegando e parece que nada está acontecendo; só que seguimos um Deus que não chega atrasado.
Às vezes, o que Deus faz é tão inesperado que nos lembra um sonho. Mas quando "acordamos", percebemos que fomos alvo da imerecida graça do Senhor.

Em "tempos instantâneos", onde a mínima demora parece uma eternidade, aprendamos a nos deleitar na exatidão do tempo de Deus.
Em tempos onde mais vale a minha vontade, o meu jeito de fazer e acontecer, aprendamos a orar "seja feita a Tua vontade, assim na terra como nos céus".
Em tempos de tanto ceticismo, aprendamos a guardar a fé como uma chama preciosa em nosso coração.
Em tempos de tamanha indiferença, aprendamos a valorizar as 'surpresas' de bondade e graça que Deus nos concede todos os dias.

sexta-feira, 5 de junho de 2015

Um Coração Arrependido e Quebrantado

0 comentários

Rascunhos

João 4.1-30;39-42

Tem coisas na vida que não há como voltar atrás.
Parece que num piscar de olhos, tudo aconteceu e na primeira vez, o mundo aparentemente ruiu.
Mas, depois aconteceu de novo, de novo, mais uma vez e outra...
Para você, isso pode ser a descrição de alguma área da vida, talvez financeira, profissional, relacional...
Para ela, o retrato da vida emocional.

Os cinco maridos e o companheiro que convive agora são situações que aconteceram.
Certas atitudes tomadas que não são passíveis de voltar atrás e consertar.
Fica só a vontade de ter feito diferente!
Às vezes, muitas vezes, as consequências são pagas em desprezo, preconceito, remorso...
As feridas emocionais ficam por aí...

Até que um dia, ao buscar água como corriqueiramente, encontramos o Salvador do Mundo!
Ou então, acessamos a Internet, visitamos a igreja, conversamos com um amigo;
Ou mesmo sozinhos, escondidos de todos no quarto, lendo a Bíblia ou pensando na vida,
Ele vem e se coloca diante de nós,
Do jeito calmo e suave que só Ele tem.

Na presença de alguém assim, muitos tentariam mostrar o melhor de si.
Eu seria assim, talvez você também!
Mas ela, não. Ela só disse a verdade. Havia humildade.
E à medida que conversava com Ele, algo brotava em seu coração.
Uma fé de que aquele simples homem era o Cristo.

Essa fé abriu os olhos dela para uma saída; a partir dali, havia nela algo que podemos chamar de 'novidade de vida'
Essa nova força a levou em disparada até a cidade, para contar ao seu povo sobre alguém diferente que passava por ali.
Jesus nunca pediu a ela um bom currículo, um passado integro ou pelo menos, o esforço social de mostrar o melhor de si.
Mas aquilo que Ele precisava, ela tinha: fé e humildade, um coração arrependido e quebrantado.
Que em nós, esse mesmo coração seja encontrado!

sexta-feira, 29 de maio de 2015

Amar, como Jesus nos amou!

0 comentários

Em seus últimos momentos, Jesus dirigiu aos seus discípulos um novo mandamento: que estes amassem o próximo, assim como Ele os amou!

"Um novo mandamento lhes dou: Amem-se uns aos outros. Como eu os amei, vocês devem amar-se uns aos outros. Com isso todos saberão que vocês são meus discípulos, se vocês se amarem uns aos outros".
(João 13.34-35)

Um pouco antes, Jesus havia reforçado o princípio de que os dois principais mandamentos eram: Amar a Deus sobre todas as coisas e amar ao próximo como a si mesmo, sendo a segunda parte deste principio muito semelhante ao "novo mandamento" que Ele mencionava.

Por que Ele dizia algo semelhante, porém afirmando ser um novo mandamento?

Na verdade, essa pequena mudança que Jesus realiza na estrutura do mandamento, altera drasticamente o propósito do princípio.

Anteriormente, cada pessoa era parâmetro para o mandamento. Certamente, amar os outros como a si mesmo já é um exercício que traz consigo dificuldades, mas sempre é limitado por aquilo que estamos dispostos a fazer para o nosso próprio bem.

Mas Jesus nos orienta a ir além, quando estabelece que devemos amar o próximo como Ele nos amou.

Jesus torna-se o modelo de amor a ser seguido e como o amor dele pode ser definido?

Jesus amou os seus até o fim!

"Um pouco antes da festa da Páscoa, sabendo Jesus que havia chegado o tempo em que deixaria este mundo e iria para o Pai, tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim."
(João 13.1)

Podemos compreender esse "amar até o fim" por duas óticas diferentes: amou até o fim extensivamente, por toda a sua vida de 33 anos ou por todo o seu ministério de 3 anos e isso é uma verdade; como existe também uma perspectiva intensiva: Jesus amou até o fim, entregando toda a sua vida por conta deste amor, assumindo as últimas consequências para promover aos Seus um novo caminho, um amor chamado de ágape, "sacrificial".

Quando olhamos pela ótica do novo mandamento de Jesus, o nosso amor pelo próximo é elevado a uma nova perspectiva, onde a demanda do outro ganha mais importância que a minha.

E o Senhor fala que seremos reconhecidos como seus discípulos ao amarmos desse modo, pois um amor como esse não pode ser confundido!

Que Deus nos dê misericórdia para alcançar esta estatura de amor que Ele deseja para nós.

sexta-feira, 15 de maio de 2015

Sobre a Corrupção

0 comentários


Corrupção é ação ou efeito de se corromper; um desvirtuamento de hábitos e aceitação de uma condição que não segue padrão adequado.

Deus, através de Sua Palavra, é extremamente claro ao se opor à corrupção por diversas vezes.

Vários profetas de Israel foram usados pelo Senhor para profetizar a respeito da falência de valores dos seus governantes.
O profeta Miquéias chama os governantes de sua época de 'perturbadores', por conta da corrupção:

“Pereceu da terra o homem piedoso, e não há entre os homens um que seja reto. Todos armam ciladas para sangue; cada um caça a seu irmão com uma rede. As suas mãos fazem diligentemente o mal; o príncipe exige condenação, o juiz aceita suborno, e o grande fala da corrupção da sua alma, e assim todos eles são perturbadores” (Miquéias 7.2-3).

O profeta Isaías acusa os príncipes do povo e os nomeia como 'companheiros de ladrões':

“Os teus príncipes são rebeldes, companheiros de ladrões; cada um deles ama o suborno, e corre atrás de presentes. Não fazem justiça ao órfão, e não chega perante eles a causa das viúvas” (Isaías 1.23)

A corrupção é algo tão abominável aos olhos de Deus que Ele usa esse mesmo profeta para trazer uma palavra de juízo aos governantes do povo. O Senhor trará julgamento aos líderes da nação que decidiram trilhar caminhos de impiedade:

“Que farão vocês no dia do castigo, quando a destruição vier de um lugar distante? Atrás de quem vocês correrão em busca de ajuda? Onde deixarão todas as suas riquezas? Nada poderão fazer, a não ser encolher-se entre os prisioneiros ou cair entre os mortos. Apesar disso tudo, a ira divina não se desviou; sua mão continua erguida.” (Isaías 10.3-4)

Porém, a degeneração de valores não está apenas associada aos governantes!
O fato de haver um governante corrupto geralmente está atrelado à existência de uma sociedade corrompida, que apóia esse tipo de comportamento.

A Bíblia também se opõe claramente ao tipo de corrupção que brota dentro da sociedade e que muitas vezes, é aceita com maior naturalidade.
O suborno para obter favorecimentos e a agiotagem são condenadas por Deus através da boca do profeta Ezequiel:

“No meio de ti aceitam-se subornos para se derramar sangue; recebes usura e lucros ilícitos, e usas de avareza com o teu próximo, oprimindo-o. E de mim te esqueceste, diz o Senhor Deus. Eu certamente baterei as mãos contra o lucro desonesto que ganhastes...”  (Ezequiel 22.12-13)

A falta de comportamento idôneo nos negócios é abominada pelo Senhor:

“Dois pesos e duas medidas; pesos adulterados e medidas falsificadas são desonestidades abomináveis ao SENHOR.” (Provérbios 20.10 )

Diante disso, precisamos refletir com mais atenção sobre os nossos julgamentos a respeito da corrupção!

Será que ao apontar o dedo para as autoridades do país, não estamos julgando também as nossas próprias posturas que promovem a deterioração dos valores da nação?

O que Deus espera de nós?
Que ajamos com justiça, segundo os valores do Reino!

Enquanto batizava, João Batista recebeu certas pessoas que perguntaram como deveriam se comportar de maneira prática, segundo os valores do novo Reino que haveria de vir.
João Batista disse o seguinte:

"Chegaram também uns cobradores de impostos, para serem batizados, e lhe perguntaram: Mestre, que devemos fazer? Respondeu-lhes: Não peçais mais do que o que vos está ordenado. Então uns soldados o interrogaram: E nós, o que faremos? Ele lhes disse: A ninguém trateis mal, não deis denúncia falsa, e contentai-vos com o vosso soldo”. (Lucas 3.12-14)

Como filhos de Deus, temos que ser exemplo em meio à nação! Justificados e renascidos para uma nova vida com Cristo, somos chamados a andar como Ele andou, segundo os valores do Seu Reino, em uma justiça prática, um viver em retidão!
O apóstolo Paulo nos fala que um dos valores mais destacados do Reino de Deus é a justiça!

“Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo.” (Romanos 14.17)

Para aqueles que vivem buscando a prática dessa justiça, existe uma promessa de suprimento da parte de Deus:

“O que anda em justiça, e o que fala com retidão, que arremessa para longe de si o ganho de opressões, e que sacode das suas mãos todo suborno, que tapa os seus ouvidos para não ouvir falar de sangue, e fecha os olhos para não ver o mal; este habitará nas alturas, e as fortalezas das rochas serão o seu alto refúgio. O seu pão lhe será dado, e as suas águas serão certas”. (Isaías 33.15-16)

O apóstolo Paulo aconselha Timóteo a orar por todos os governantes e os que exercem autoridade. Ele sabia da pressão existente sobre esses homens e mulheres que detém nas mãos o poder de tomar importantes decisões que influenciam toda uma sociedade.

"Antes de tudo, recomendo que se façam súplicas, orações, intercessões e ações de graças por todos os homens; pelos reis e por todos os que exercem autoridade, para que tenhamos uma vida tranqüila e pacífica, com toda a piedade e dignidade. Isso é bom e agradável perante Deus, nosso Salvador, que deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade" (1 Timóteo 2.1-4).

Por isso, devemos orar pedindo a conversão verdadeira dos governantes; que Deus conceda a eles sabedoria para governar; que eles sejam instrumentos de Deus para trazer justiça e liberdade ao povo e até mesmo orar pedindo a saída de governantes corruptos, tendo a liberdade de exercer os direitos democráticos adequados para retirá-los do poder.

Inclusive, podemos utilizar as vias democráticas para exigir maior justiça dos nossos governantes na administração dos recursos e na tomada de decisões.O cristão deve ser participante ativo das discussões políticas de sua nação!

A corrupção é algo abominável a Deus e contamina toda a sociedade, desde os governantes até o povo.
Mais do que críticos da nação, que sejamos instrumentos de Deus para viver de acordo com os valores de Seu Reino e trazer ao nosso povo o brilho do Sol da Justiça, gerando transformação em meio à sociedade.

sexta-feira, 8 de maio de 2015

Para cada Momento, uma Postura!

0 comentários


"Está alguém entre vós aflito? Ore. Está alguém contente? Cante louvores.
Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja, e orem sobre ele, ungindo-o com azeite em nome do Senhor;
E a oração da fé salvará o doente, e o Senhor o levantará; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados.
Confessai as vossas culpas uns aos outros, e orai uns pelos outros, para que sareis. A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos."

Tiago 5.13-16

Tiago, irmão do Senhor, compartilha uma verdade que precisa ser observada em nossa rotina: cada momento da vida, exige uma postura diante de Deus.

O aflito ore e derrame as suas súplicas e preocupações diante de Deus e este concederá refrigério; o alegre louve e expresse a bondade do Senhor generosamente a todos ao seu redor; o doente receba oração de alguém forte na fé e apoio no seu momento de luta; o pecador confesse os seus pecados a Deus para ser perdoado e aos homens para se livrar do peso da culpa.

É interessante ver essa variedade de condutas que o Senhor nos aponta, pois isso demonstra que Ele não é um Deus inflexível, que tem prazer em sacrifícios e exige performance de seus servos, mesmo que estes estejam a vivenciar momentos que não condizem com suas ações; pelo contrário, o nosso Deus tem interesse no ser humano e naquilo que passa no âmago do nosso interior!

Por isso, diante dEle, não há a necessidade de máscaras! Podemos nos colocar diante da Sua presença com dor, choro e doença; enfrentando fraqueza física e até falta de fé.

Quando nos expomos à Sua maravilhosa ação, mesmo carregando toda sorte de mazelas, não sairemos do mesmo modo que entramos!

O Senhor quer relacionar-se conosco e assim promover cura, alívio, fortalecimento, perdão e restauração! Mais do que isso, quer usar o relacionamento que temos uns com os outros, como igreja de Cristo, para edificar o nosso ser!

Se, em humildade, seguirmos os conselhos de Tiago, veremos a graça e o poder de Deus operando eficazmente nas nossas vidas e no meio da igreja!

sexta-feira, 1 de maio de 2015

O Poder do Desprendimento

0 comentários

Mateus 20

Jerusalém era um cenário de dúvida para os discípulos. Apesar das palavras de Jesus narrando o sofrimento que passaria na cidade, estes não entendiam corretamente o que ocorreria, a ponto da mãe de Tiago e João pedir a Jesus que seus filhos sentassem à Sua direita e esquerda em um futuro reino a ser estabelecido por ali (v.21).

Na verdade, esse pedido reflete bem qual era o raciocínio dos discípulos: Jerusalém seria o lugar da exaltação plena, da coroação do Rei e estabelecimento do Reino.
Por isso, valia o esforço ser ousado e pedir para ocupar posições de honra e autoridade. Afinal, era o momento oportuno!
Os outros apóstolos ficaram indignados com o pedido (v.24); provavelmente, não porque discernissem o que de fato ocorreria, mas por objetivarem o mesmo lugar pedido por Tiago e João!

Diante deste pedido, Jesus traz à tona a grande lição:  nesta terra, realmente existem governantes e eles têm autoridade sobre as outras pessoas, mas no reino de Deus, o maior é servo, a ponto do Filho do Homem ser aquele que deu a vida no lugar de todos (v.25-28).

Ou seja, Jerusalém, ao invés de ser o local da coroação final é, na verdade, o cenário da doação total!
O Reino de Deus não trata-se de posições e poder, mas de humildade e doação!

Jesus exalta nessa passagem o "poder do desprendimento".

Ele usa o cenário das posições (maior e menor) para trazer à tona o conceito do Seu Reino, que envolve doação e entrega.
Entenda: Não há nada mais duro para alguém que utiliza o linguajar do poder do que ouvir sobre a necessidade de doação e entrega, a ponto de enfrentar humilhação.

Dessa forma, Jesus quebra em seus discípulos esse raciocínio fincado em posição e títulos, com o objetivo de construir uma visão mais horizontal, a ponto de Cristo ser irmão de todos os novos filhos da família de Deus.

As palavras de Jesus em Mateus 20.27 ("E, qualquer que entre vós quiser ser o primeiro, seja vosso servo") não tem a intenção de demonstrar uma receita para alcançar posições de autoridade no Reino; pelo contrário, Ele quer quebrar esse conceito hierárquico em nossas vidas, pois a grande verdade é que aqueles que amam o poder nunca irão se submeter ao "caminho" proposto por Deus para alcançá-lo em Seu Reino!

Cristo nos chama a uma vida de submissão e doação em amor, primeiramente a Ele e do mesmo modo, aos irmãos!
No Reino de Deus, a lição é que o poder reside no desprendimento e humildade!

sexta-feira, 24 de abril de 2015

O Preço do Grátis!

0 comentários

Quem não gosta de ganhar coisas sem ser necessário pagar nada por elas?

Desde conexão grátis com a Internet por meio de um wi-fi alheio e desbloqueado até aqueles pacotes de produtos que compram-se dois e o terceiro vem como brinde, o "grátis" faz brilhar os olhos, atrai a atenção e ganha o coração humano, a ponto de existir um ditado que diz o seguinte:  "Grátis até injeção na testa".

Às vezes, por conta desta gratuidade, somos irresponsáveis em lidar com os seus frutos: não valorizamos os produtos como deveríamos, usamos de maneira descontrolada...

No entanto, há uma grande realidade por trás dessa aparente facilidade do grátis e esta não pode ser menosprezada:

Existe um preço por trás de tudo que é gratuito!

Há alguém pagando pela conexão de wi-fi desbloqueado da qual você aproveita , sabia?
A empresa que concede um produto extra gratuitamente está pagando para oferecer esse benefício.

Ou seja, nunca existe algo gratuito nas duas pontas, de quem recebe e quem dá.
Para que alguém receba algo de graça, outro precisa pagar!

É interessante ver que essa dinâmica simples, sempre visível nas realidades materiais, também se replica no mundo espiritual.

"Mas agora se manifestou sem a lei a justiça de Deus, tendo o testemunho da lei e dos profetas;
Isto é, a justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo para todos e sobre todos os que crêem; porque não há diferença.
Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus;
Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus."
Romanos 3.21-24

Perceba que a Palavra diz que somos justificados gratuitamente por Deus.

Quando entendemos que todos somos pecadores e corremos arrependidos até Jesus, somos justificados gratuitamente por Ele.
Não precisamos pagar nada, porque Jesus Cristo pagou tudo!

E este preço pago por Jesus para abrir o caminho até o Pai foi tão caro que não poderíamos pagar!

A Palavra diz em I Pedro 1.18-19 que não foi com prata e ouro que o nosso resgate foi pago, mas foi o sangue justo de Cristo derramado como pagamento por nossa justificação!

A misericórdia de Deus é tamanha que Ele nos concede algo caríssimo, preciosíssimo de maneira gratuita, por meio da fé!

Esse amor intenso de Deus, revelado no presente gratuito de Jesus precisa gerar em nosso coração:

Um zelo tremendo por esse presente gratuito que obtemos em Jesus

Não podemos tratar de qualquer maneira algo que custou tão caro ao Senhor! Não podemos andar professando a fé em Cristo e vivendo de maneira distante de Deus.

Permita-se ter o entendimento renovado pelo amor do Senhor para amá-lo mais e andar próximo dele, em obediência. Submeta a sua vida à Cristo e seja transformado de acordo com a Sua vontade e princípios!

Uma enorme gratidão por esse presente de Deus que leve um louvor vibrante ao Senhor! 

Não é possível que diante do maior milagre que recebemos em vida, tenhamos uma postura passiva e ingrata.

Quando nos damos conta do tamanho da graça concedida por Deus; de que por conta da justificação gratuita, recebida pela fé no sacrifício de Jesus, Cristo quebrou as cadeias, nos libertou e esse preço foi pago até pelo mais distante ser humano, não há como ser apático no louvor e comunhão com Deus, mas isso gerará vibração, intensidade no louvor ao Senhor!

Deus, através de Seu Filho Jesus Cristo nos concede justificação gratuita, porque Ele já pagou um preço altíssimo para que possamos recebê-la em fé.

O conhecimento dessa verdade precisa gerar um zelo tremendo em nossos corações que conduza à santificação e uma enorme gratidão, que nos leve a louvá-lo com maior intensidade!

segunda-feira, 20 de abril de 2015

Escolhendo a Boa Parte

0 comentários

Lucas 2

Simeão e Ana são duas pessoas com histórias relacionadas: dois idosos, que estavam no templo quando o menino Jesus foi levado para ser apresentado ao Senhor (v.22).

Mais do que isso, um homem e uma mulher com vidas devotadas a Deus.

Ana vivia uma vida extremamente consagrada ao Senhor há longo tempo; o mesmo pode ser dito a respeito de Simeão.

Pessoas cheias de Deus, com ministérios vívidos, um testemunho notável e que ainda esperavam em fé, mesmo após tanto tempo de vida, o cumprimento de promessas: Simeão tinha recebido a promessa de Deus que haveria de ver o Cristo (v.26).

Pessoas que buscavam ansiosamente o espiritual; sobre quem o tempo não teve o efeito de corromper a fé, esfriar o coração; que mantinham promessas espirituais, que serviam a Deus na velhice com o ímpeto de jovens.

Jovens como muitos de nós, que por vezes já perderam o foco e estão correndo atrás dos tentadores manjares deste mundo, porque esqueceram do sabor do banquete celestial; reféns de um modo de vida que esfria o coração, afasta de Deus e troca as promessas de comunhão e intimidade com o Senhor por coisas que as mãos podem tocar e um reconhecimento vazio que este mundo oferece.

Simeão e Ana escolheram a boa parte e chegaram à velhice fortalecidos no Senhor.

E como será conosco? Ao seguir o caminho e os sonhos deste mundo, chegaremos à terceira idade com um coração desiludido, ferido e cansado, pois o deus deste mundo promete, mas não cumpre e é a ele que servimos quando perdemos o foco dos propósitos de Deus e gastamos nossa vida em coisas tolas e passageiras.

Por isso, escolha a boa parte! Busque comunhão e intimidade com Deus, sirva ao Senhor com intensidade, foque o seu coração no Reino de Deus e seja fortalecido em Cristo por toda a sua vida!

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Pregação - Influência das Amizades

0 comentários

Pregação realizada em 09/03/2013, na reunião do TEENSIBP, ministério de adolescentes da Igreja Bíblica da Paz/ SP.



Vida Cristã: Disciplina, Prática e Motivações

0 comentários
"Pergunte a todo o povo e aos sacerdotes: Quando vocês jejuaram no quinto e no sétimo meses durante os últimos setenta anos, foi de fato para mim que jejuaram?
(Zacarias 7.5)

Será que as disciplinas mantidas no nosso relacionamento com o Senhor são feitas com o propósito de glorificá-lo ou as estamos fazendo para nós mesmos, exaltando a nossa própria religiosidade?

Mantemos a vida de oração, orando de nós para nós mesmos; jejuamos, para nos orgulhar posteriormente; contribuímos, como forma de afirmação sobre quanto somos abençoados; vamos à igreja como compromisso social e não para ofertar um culto público a Deus.

Uma vida cheia de ritos e disciplinas ensimesmadas não produz verdadeira edificação. Uma vida cheia de religiosidade, mas vazia de prática cristã, está longe de Deus!

"Assim diz o Senhor dos Exércitos: ‘Administrem a verdadeira justiça, mostrem misericórdia e compaixão uns para com os outros. Não oprimam a viúva e o órfão, nem o estrangeiro e o necessitado. Nem tramem maldades uns contra os outros’". (Zacarias 7.9-10)

É importante refletir a respeito de como temos conduzido nossa vida cristã!
É melhor não oferecer nada ou dar pouco com a motivação adequada do que ser abundante com propósitos inadequados.

Ao orar, que a intenção principal seja a busca de comunhão mais profunda com Deus; ao contribuir, que essa atitude seja fruto do entendimento de um coração generoso e grato que Deus quer nos dar; ao jejuar, que seja por fome de Deus e mais iluminação da Sua Palavra; ao frequentar à igreja, que seja na busca de estar unido com o restante do Corpo para O glorificar!

E que tudo isso seja acompanhado de uma vida prática diária que reflita a justiça, a compaixão e a misericórdia do Senhor, levando às ruas e aos relacionamentos o compromisso com o perdoar e pedir perdão; com a retidão; com o necessitado de comida, de roupa, de atenção; com a pregação das Boas-novas de Jesus, em ações e palavras.

Deus nos permita levar a vida cristã para todas as dimensões do tempo, dos lugares e das atitudes que temos e não deixá-las escondidas em poucos aspectos do nosso dia-dia.

domingo, 18 de janeiro de 2015

Jefté, um Heroi Improvável!

0 comentários

Por Heitor Faria

Jefté era filho de Gileade, um homem importante, com uma prostituta. Por conta disso, nunca foi bem visto socialmente. Por fim, seus irmãos acabaram por expulsá-lo, para que ele não tivesse parte na herança de seu pai.

Depois de ser expulso da cidade em que morava, Jefté passou a morar em uma cidade chamada Tobe e muitos homens sem esperança se juntaram a ele.

Quando os amonitas passaram a guerrear contra Israel, os anciãos de Gileade foram até Jefté e pediram para que ele assumisse o comando do exército de Israel no combate. Não satisfeito com essa oferta e magoado pela rejeição anteriormente sofrida pelo povo de Gileade, Jefté só aceitou a proposta ao saber que seria estabelecido como príncipe da cidade.

Jefté foi com os anciãos e o Espírito do Senhor veio sobre ele. Partindo com o exército para a guerra, combateu contra Amom e obteve grande vitória, livrando Israel da opressão dos amonitas.
(Veja mais em Juízes 10, 11 e 12)

Talvez nem ele mesmo acreditasse que poderia chegar a este lugar e a essa conquista!
Mas através do poder de Deus, Jefté foi um 'herói improvável'!

Dessa história, podemos extrair importantes lições:

Deus não vê como o homem vê!

Deus usa quem Ele quer para que Ele seja glorificado!
Jefté, aos olhos humanos, talvez fosse uma das últimas pessoas que Deus poderia usar.
Ele foi expulso de sua casa por ser filho de uma prostituta, alguém malvisto socialmente!
E foi este homem que Deus usou para dar vitória ao povo de Israel no combate contra os filhos de Amom.

O apóstolo Paulo bem nos lembra dessa soberania e sabedoria do Senhor ao falar:

"Mas Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes"
I Coríntios 1.27

Estejamos atentos para enxergar aquilo que o Senhor vê. A visão do homem é falha e limitada, mas Deus nos desafia a abrir nossos olhos espirituais para entender as coisas da maneira dEle!

O Espírito Santo faz toda a diferença!

Podemos ver nestes acontecimentos que o Espírito de Deus faz toda a diferença na vida de uma pessoa! Jefté estava tomado pelo Espírito de Deus e obteve a vitória (Juízes 11.29). Precisamos ser cheios do Espírito Santo!
Viva longe do pecado e peça para Deus te encher com o Espírito Santo, sempre que você pecar se arrependa de coração, seja fiel a Deus a começar na sua casa e em todas as coisas, desde as menores até as maiores!

"E não entristeçais o Espírito Santo de Deus, no qual estais selados para o dia da redenção."
Efésios 4.30

Se Deus está conosco, quem pode nos deter?

Quando Deus está conosco o inimigo sempre cairá, basta confiarmos Nele de coração e seguirmos Sua orientação!
Jefté obteve uma vitória difícil, porque contava com a graça de Deus sobre ele!

"Pois o Senhor vosso Deus é o que vai convosco, a pelejar contra os vossos inimigos, para salvar-vos."
Deuteronômio 20.4

Deus lutará as nossas batalhas, quando nos colocarmos debaixo do cuidado e da direção dEle!

Jefté foi um 'herói improvável'. Deus o tirou de um lugar escondido, para usá-lo poderosamente como instrumento para dar vitória e libertação a Israel.
O Senhor também quer usar a sua vida, para te levar além do que as pessoas podem ver e te fazer alcançar as vitórias que Ele tem reservado a você!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...